Pessoas com sangue tipo “O” são mais protegidas contra COVID-19 – segundo estudos

Todos os estudos chegaram a uma conclusão semelhante: pessoas com sangue tipo O têm menos chance de contrair COVID-19. 

traduzido de Jerusalém Post

Pessoas com sangue tipo O têm menos chance de contrair COVID-19 , de acordo com vários estudos publicados em todo o mundo durante a pandemia. Mas pessoas com tipo A podem ser mais vulneráveis. 

Depois que a pandemia eclodiu, uma das perguntas pelas quais cientistas e médicos ficaram intrigados foi por que algumas pessoas são mais suscetíveis a contrair e até mesmo sucumbir à doença causada pelo coronavírus do que outras?

Vários estudos pesquisaram o vínculo que a genética desempenha na suscetibilidade à contração do vírus, e alguns mais especificamente vincularam o papel desempenhado pelo tipo sanguíneo. Todos os estudos chegaram a uma conclusão semelhante: pessoas com sangue tipo O têm menos chance de contrair COVID-19. 

Dois estudos foram publicados em Wuhan, o epicentro do surto de COVID-19, um que pesquisou a ligação entre o tipo sanguíneo e a susceptibilidade a COVID-19 e o outro que investigou a ligação entre o tipo sanguíneo e o risco de contrair pneumonia causada por SARS‐ CoV ‐ 2 – o novo coronavírus. Outro estudo foi publicado na Itália e na Espanha, que analisou ligação entre genética e insuficiência respiratória por SARS-CoV2

Mas, aparentemente, o estudo mais popular e mais recente é a pesquisa em andamento publicada pela empresa de genética pessoal 23andMe sobre evidências de que o tipo sanguíneo desempenha um papel no COVID-19. A 23andMe é uma empresa que envia kits de testes de genética pessoal a indivíduos interessados ​​em descobrir sua história genética ou predisposição a certas doenças geneticamente transmissíveis, como certos tipos de câncer. 

Segundo o site da empresa, eles fizeram um estudo que continha mais de 750.000 participantes. Seus dados preliminares sugerem que o tipo sanguíneo ” O” parece ser protetor contra o vírus, e as pessoas com esse tipo têm entre 9% e 18% menos chances de que os outros indivíduos tenham resultado positivo para o vírus COVID-19.

 Mas como o tipo sanguíneo realmente desempenha um papel na infecção?

Enquanto a resposta não é exatamente conhecida, Andre Franke, o principal cientista do estudo realizado na Espanha e na Itália, sugeriu uma resposta ao The New York Times . Ele observou que a região do gene que codifica o tipo sanguíneo está associada a níveis elevados de moléculas imunes-chave.  

O estudo incluiu a extração de amostras de DNA de 1.980 pacientes com COVID-19 que foram hospitalizados por insuficiência respiratória. Eles digitalizaram as amostras usando uma técnica rápida chamada genotipagem e analisaram quase nove milhões de letras genéticas. Os pesquisadores realizaram o mesmo experimento em 2.205 doadores de sangue sem evidência de COVID-19. Eles descobriram que os pacientes doentes compartilhavam uma série de variantes genéticas semelhantes em comparação com aqueles que não estavam doentes.

 Os cientistas procuravam pontos no genoma chamado loci, que eles finalmente encontraram. O gene que determina o tipo de sangue está em um desses pontos. Sua análise mostrou um maior risco para indivíduos A positivos e um efeito protetor para o grupo sanguíneo O. 

Os pesquisadores de Wuhan chegaram a uma conclusão semelhante. Depois de eliminar outros fatores de risco confusos, como idade, sexo e comorbidade, a equipe investigou e confirmou uma conexão entre pessoas com grupos sanguíneos ABO e um risco de pneumonia por SARS-CoV-2 em pacientes de três hospitais de Wuhan. Em suma, suas descobertas também descobriram que pessoas com sangue tipo A estavam em maior risco de hospitalização, enquanto pacientes com O tinham o menor risco.

 Outras pesquisas anteriores realizadas em 2005 durante a epidemia de SARS em 2002 apóiam a teoria de proteção do tipo O do sangue. Pesquisa em um hospital de Hong Kong analisou um paciente infectado que expôs 45 profissionais de saúde. Das 18 pessoas com sangue tipo O, 8 foram infectadas (44%), em comparação com as outras 27 pessoas com outros tipos sanguíneos, das quais 23 contraíram o vírus (85% – quase o dobro).


O TIPO DE SANGUE é determinado por moléculas de açúcar específicas que são adicionadas a proteínas ou lipídios em nossas células sanguíneas e outros tipos de células, de acordo com a Chemical Science and Engineering News . Aqueles que estão no grupo de tipo sanguíneo A carregam antígenos de açúcar A; o mesmo vale para pessoas com sangue tipo B com antígenos B. Mas aqueles com tipo sanguíneo O não têm.

 Isso significa que o sistema imunológico de pessoas com sangue tipo A desenvolve anticorpos para antígenos B, pessoas com sangue tipo B têm anticorpos para antígenos A e pessoas com sangue tipo O têm anticorpos para ambos. O tipo sanguíneo influencia a coagulação do sangue, e um crescente corpo de evidências sugere que a patologia do COVID-19 geralmente envolve coagulação sanguínea hiperativa. Pessoas com sangue tipo O têm níveis mais baixos de proteínas que promovem a coagulação do sangue.

O SARS-CoV-2 pode se replicar em células que expressam antígenos do tipo sanguíneo, disse Jacques Le Pendu, um glicobiologista da Universidade de Nantes ao Chemical and Engineering News . Isso significa que, quando uma pessoa infectada tosse ou espirra, existe a possibilidade de liberar partículas virais revestidas com seus antígenos do tipo sanguíneo.

Explicado mais detalhadamente, uma pessoa no grupo sanguíneo tipo O terá anticorpos contra a transmissão do vírus de alguém no grupo sanguíneo tipo A, que pode combater o vírus. No entanto, uma pessoa no grupo sanguíneo tipo A não terá os mesmos anticorpos

referência ; Jerusalém Post

Curvelo (MG) 06/07/2020

José Carlos Martins

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *