Melhor ser temido do que amado, mas cuidado para não ser odiado- já dizia Maquiavel

Segundo o escritor para não ser odiado o governante não deve atacar o patrimônio dos cidadãos – Prefeitos e governadores não entenderam esta parte

Livros como” O Príncipe” ( 1513 ) e ” A Arte da Guerra” ( século IV a.C ) são eternos.

“A Arte da Guerra” de Sun Tzu é a Bíblia da estratégia, sendo hoje utilizada amplamente no mundo dos negócios, conquistando pessoas e mercados, e constantemente aplicada para solucionar os mais recentes conflitos do nosso dia-a-dia.

“O Príncipe” é um estudo sobre as oportunidades oferecidas pela fortuna, sobre as virtudes e os vícios dos governantes, com sugestões sobre moralidade, ética e organização urbana que, apesar da inspiração histórica, permanecem muito atuais.

Estes livros são eternos porque tratam da essência humana, que não mudou quase nada em séculos.

Uma das frases mais famosas de Maquiavel é : “É melhor ser temido do que amado “

No Capítulo XVI ele explica e diz;

Daí nasce uma controvérsia, qual seja: se é melhor ser amado ou temido

Pode-se responder que todos gostariam de ser ambas as coisas; porém, como é difícil conciliá-las, é bem mais seguro ser temido que amado, caso venha a faltar uma das duas

Os homens têm menos escrúpulos em ofender alguém que se faça amar a outro que se faça temer: porque o amor é mantido por um vínculo de reconhecimento, mas, como os homens são maus, se aproveitam da primeira ocasião para rompê-lo em benefício próprio, ao passo que o temor é mantido pelo medo da punição, o qual não esmorece nunca

Todavia o príncipe deve inspirar temor de tal modo que, se não puder ser amado, ao menos evite atrair o ódio, já que é perfeitamente possível ser temido sem ser odiado. Isso só será viável se ele não cobiçar os bens de seus cidadãos e de seus súditos, bem como as mulheres destes.

Mas o mais importante é abster-se dos bens alheios, pois os homens se esquecem com maior rapidez da morte de um pai que da perda do patrimônio

Os prefeitos e governadores que estão impedindo os cidadãos de trabalhar, levando a falência empresários e fazendo trabalhadores perderem o emprego estão atacando o patrimônio das pessoas. Como dizia Maquiavel o cidadão esquece quem matou seu pai, mas não esquece quem lhe fez perder o patrimônio.

Nunca serão esquecidos.

Referências – O Príncipe PDF

José Carlos Martins

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *