Matérias da grande mídia dizem mais sobre quem escreve do que sobre um fato.

A maioria das matérias falam sobre o que o jornalista gostaria que acontecesse e não sobre um fato concreto.

Não há analises , não ha investigação, o jornalismo brasileiro passa pela maior crise de credibilidade da história.

A imprensa tenta moldar a realidade à sua ideologia. A verdade não é importante para a imprensa, o que mais importa é a construção de uma narrativa.

Patrícia Campos Mello.

Jornalista da Folha de São Paulo no ano da eleição , não conseguia entender como Bolsonaro enfermo e sem recursos era líder e favorito. Então imaginou : “deve ser disparos ilegais de whstapp “

Torceu para que empresários usassem caixa dois para pagar os disparos.

Bastou isto para publicar a matéria na Folha de São Paulo. Não precisou de provas , depoimento , nada. Esta foi a maior Fake news em período eleitoral da história da república.

Patricia é esquerdista e eleitora do PT, segundo suas próprias palavras que viralizaram em um vídeo na internet.

Glenn Greenwald

Em 2019, o pseudo jornalista americano, apoiador histórico de Lula torcia e queria que Sérgio Moro fosse corrupto e que comandasse um esquema criminoso.

Como não haviam provas para corroborar com sua expectativa, resolveu contratar uns hackers para conseguir ilegalmente as provas. Não conseguiu as provas. Interpretou umas conversas de aplicativo de maneira tendenciosas, não conseguiu imputar crime a Sérgio Moro. Editou algumas conversas, não conseguiu provar nada.

Glenn, que ficou conhecido como Verdevaldo, é um militante de extrema esquerda com ligações com neo-nazistas ( foi advogado deles) e produção de filmes pornográficos LGBT , época em que conheceu seu atual marido David Miranda.

Vera Magalhães.

Vera era uma jornalista sem expressão na Rádio Jovem, mais conhecida por sua aparência similar a um bonequinho do brinquedo playmobil.

Em 2020 foi contratada pelo governador de São Paulo( candidato a presidente em 2022) para trabalhar na Tv Cultura.

Vera torce muito para que o presidente sofra um processo de impeachment , assim seu padrinho teria mais chances de ser eleito .

Para incrementar uma narrativa ela inventa que o presidente da república conclamou o povo a sair as ruas para protestar contra o Congresso.

Não apresentou provas, apenas dois vídeos em que não é mencionado nada sobre Congresso ou deputados e senadores.

O marido de Vera tem ligações intimas com o PSDB, onde trabalhou na campanha de Aécio Neves.

Extrema imprensa

Circulou nas redes sociais a seguinte postagem, que mostra bem o nível de nossa imprensa;

Ou a imprensa muda ou será engolida pela história

Referências : Glenn nazismoGlenn pornografiaVera Magalhaes PSDBPatrícia Melo petista

Curvelo (MG) 03/03/2020 – 08:46h

José Carlos Martins

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *