Inglaterra reconhece que estatísticas de óbito foram exageradas e só causaram pânico

Números aumentados e enganosos apenas tornaram mais difícil enfrentar a pandemia e fazer o país voltar a mover-se

Traduzido de The Telegraph

A Public Health England (PHE) tem exagerado as estatísticas de mortes diárias no Covid-19?

 Parece que o PHE compila mortes “fora do hospital” pesquisando no banco de dados do NHS se essa pessoa já teve algum resultado positivo. Aparentemente, deixa de considerar há quanto tempo essa pessoa testou positivo ou sua causa real de morte. “Por essa definição de PHE, ninguém com Covid na Inglaterra pode se recuperar de sua doença”, explicam os professores Yoon K Loke e Carl Heneghan, que descobriram a falha estatística.

É surpreendente: nesses termos, uma pessoa que testou positivo alguns meses atrás, mas depois foi atropelada por um ônibus nesta semana, seria registrada como uma morte por Covid. De fato, se mantidas inalteradas, cada uma das 292.500 pessoas que testaram positivo será um dia uma estatística de morte do Covid-19 – mesmo que viva por décadas e morra por causas completamente não relacionadas. O secretário de Saúde Matt Hancock ordenou uma revisão urgente .

Esse escândalo tem consequências reais. Ele dá a impressão de que a Inglaterra ainda está sofrendo mais de 100 mortes em alguns dias, enquanto o País de Gales, a Escócia e a Irlanda do Norte têm quase zero. Ele causou estragos na análise sobre quem está mais exposto ao vírus, seja por idade ou condição pré-existente. Isso também prejudica nossa compreensão da extensão da disseminação, pontos de acesso e as etapas necessárias para combater o vírus

Os números da morte do PHE são relatados todos os dias em boletins de notícias e nas primeiras páginas dos jornais. Eles alimentaram as ansiedades públicas existentes que estão impedindo as pessoas de fazer compras, jantar e beber. Eles também dissuadiram as pessoas de voltarem ao trabalho .

O Covid-19 é uma ameaça séria e a Grã-Bretanha está entre os mais altos números de mortes na Europa, conforme medido com mais precisão em atestados de óbito e excesso de mortalidade. Mas precisamos ter os olhos claros sobre o risco atual.

Os dados mais recentes do Office for National Statistics mostram que as mortes na Inglaterra e no País de Gales estão agora ligeiramente abaixo da média de cinco anos. Existem menos de alguns milhares de pessoas no hospital com o vírus e cerca de 150 em ventiladores. Em Londres, há menos de 50 casos novos na maioria dos dias, em Manchester, menos de uma dúzia e todo o número de casos do Sudoeste ficou com um dígito na última semana.

Este último escândalo é apenas mais um exemplo do tratamento miserável dessa crise por parte da PHE. O trabalho do PHE é rastrear e prevenir o surgimento de doenças infecciosas. Falhou no primeiro obstáculo. A empresa deixou de acelerar os testes no início deste ano, rejeitando as ofertas do setor privado. Isso levou à decisão infeliz de abandonar os testes e rastreamentos em março.

O futuro da PHE está agora muito em dúvida. Talvez esteja na hora de tirar o quango de sua e de nossa miséria.

Texto de : Matthew Lesh , o chefe de pesquisa do Adam Smith Institute

A verdade sem aparece.

Referência : The Telegraph

Curvelo (MG) 21/07/2020

José Carlos Martins

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *