Hidroxicloroquina reduz a taxa de mortalidade por COVID-19, segundo estudo dos EUA.

Análise retrospectiva de mais de 2.500 pacientes hospitalizados entre 10 de março e 2 de maio no Sistema de Saúde Henry Ford, no Michigan.

Texto traduzido de POR ZACHARY STIEBER

O medicamento antimalárico hidroxicloroquina reduz a taxa de mortalidade de pacientes com COVID-19, disseram pesquisadores dos EUA.

Os pesquisadores realizaram uma análise retrospectiva de mais de 2.500 pacientes hospitalizados entre 10 de março e 2 de maio no Sistema de Saúde Henry Ford, no Michigan . Mais de 2.000 dos pacientes receberam hidroxicloroquina ou anti-malária com azitromicina, um antibiótico.

O estudo descobriu que 13% dos que receberam hidroxicloroquina sozinhos morreram em comparação com 26,4% que não receberam o medicamento.

A hidroxicloroquina sozinha reduziu a taxa de risco de mortalidade em 66% e o antimalárico com o antibiótico diminuiu a taxa em 71%, disseram os pesquisadores.

A grande maioria dos pacientes recebeu o medicamento dentro de 48 horas após a admissão.

“Nossa análise mostra que o uso da hidroxicloroquina ajudou a salvar vidas”, disse o neurocirurgião Steven Kalkanis, vice-presidente sênior e diretor acadêmico do sistema de saúde, em comunicado. “Como médicos e cientistas, procuramos os dados para obter informações. E os dados aqui são claros de que houve benefício em usar o medicamento como tratamento para pacientes doentes e hospitalizados. ”

Os pacientes que receberam hidroxicloroquina e azitromicina também tiveram uma mortalidade mais baixa do que as pessoas que não receberam nenhum, assim como os pacientes que receberam azitromicina.

“As descobertas foram altamente analisadas e revisadas por pares”, acrescentou Marcus Zervos, chefe da divisão de Doenças Infecciosas de Henry Ford, que foi co-autor do estudo com a epidemiologista Dra. Samia Arshad.

“Atribuímos nossas descobertas que diferem de outros estudos ao tratamento precoce, e parte de uma combinação de intervenções que foram feitas no atendimento de suporte aos pacientes, incluindo monitoramento cardíaco cuidadoso”, disse Zervos. “Nossa dosagem também diferiu de outros estudos que não mostraram um benefício do medicamento. E outros estudos não são revisados ​​por pares, têm número limitado de pacientes, diferentes populações de pacientes ou outras diferenças em relação aos nossos pacientes. ”

Nenhum dos pacientes apresentou efeitos colaterais, disseram os pesquisadores, embora os pacientes que foram monitorados para uma condição cardíaca tenham sido recomendados a não tomar o tratamento.

A idade média dos pacientes era de 64 anos. O grupo era 51% masculino e 56% afro-americano.

As conclusões vieram de um estudo revisado por pares que foi publicado no International Journal of Infectious Diseases.

Independentemente do tratamento recebido, a mortalidade foi maior em pacientes com mais de 65 anos, pacientes que se identificaram como caucasianos, pacientes admitidos com níveis reduzidos de oxigênio e pacientes que necessitaram de cuidados em unidades de terapia intensiva, disseram os pesquisadores.

Curvelo (MG) 02/07/2020

Referencias : The Epochtimes

José Carlos Martins

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *