STF não consegue sair do imbróglio que criou para soltar corruptos.

Não basta ser só desonesto é preciso ser competente.

Para soltar Lula e uma centena de corruptos o STF quer anular sentenças sem uma lei que existia á época dos julgamentos – mais uma aberração do STF.

Mas a incompetência e desconhecimento da lei dos supremos ministros é tão grande que podem soltar criminosos comuns e violentos assassinos, assaltantes, estupradores, traficantes de drogas e de armas, contrabandistas que serão beneficiados em processos que envolvem quadrilhas, em que, sempre um ou mais bandidos confessam e incriminam os outros.

Além de beneficiar todo tipo de criminoso há também de ser considerada a questão do dinheiro apreendido na Lava Jato que deve retornar aos corruptos.

O jurista Modesto Carvalhosa escreveu:

O Supremo Tribunal Federal, ao decidir por 7×4 anular sentenças condenatórias dos corruptos, sem nenhuma base legal, determinando, do nada, que o corrupto delatado defenda-se por último, acabou por criar as condições para um caos judiciário em termos de segurança publica.

O STF procura agora, desesperadamente, encontrar um mecanismo que permita apenas aos corruptos usufruir da decisão aberrante de 4ª feira.

O STF “teme” que criminosos comuns e violentos assassinos, assaltantes, estupradores, traficantes de drogas e de armas, contrabandistas sejam beneficiados em processos condenatórios de quadrilhas, em que, sempre um ou mais bandidos confessam e incriminam os outros.

Para tanto o aterrorizado STF procura aplicar o instituto da preclusão (não pedido oportuno de direito), prequestionamento (pedido de recurso em todas as instâncias) e prova do dano pela condenação.

Ocorre que a preclusão e o prequestionamento somente valem para o réu ter acesso a recursos e nunca para o exercício do seu direito constitucional de ampla defesa.

A ampla defesa, que foi o pretexto para o STF anular as sentenças dos corruptos, VALE para todos os condenados delatados por seus comparsas da quadrilha, na pratica de todo o tipo de crime e não apenas de corrupção. Eis o “drama” por que passa o STF, ao verificar que sua infame decisão a favor dos corruptos, sem nenhuma base legal, pode criar um enorme problema no capitulo da segurança pública, representado pela anulação dos processos e soltura de milhares de delinquentes violentos em todo o território nacional.

Vamos aguardar o que o STF vai fazer para sair deste imbróglio que por enquanto não soltou Lula e jogo na lama a credibilidade do STF. Os sucessivos adiamentos da decisão só provam a incompetência dos ministros em mais uma tentativa de soltar corruptos. Eles vão rasgando a Constituição.

Referência ; Jornal da Cidade on line

Curvelo 04/10/2019 09:10

José Carlos Martins

Economista graduado pela PUC-MG, pós graduando em Engenharia de Produção ,técnico em administração de empresas, ex- reservista TG 04/29 Exército Brasileiro .Membro do grupo Direita Curvelo desde outubro 2017. Cristão , conservador
José Carlos Martins
5 comments to “STF não consegue sair do imbróglio que criou para soltar corruptos.”
  1. O Brasil e os brasileiros de bem, como no meu caso não acredita em mais nada, tudo é possível, agora que temos um PRESIDENTE com letras maiúsculas, temos dois poderes incompetentes e mergulhados na corrupção, só resta ao zé povinho de bem rezar para que Jair Messias Bolsonaro convide o exército pra tomar uma atitude mais severa, já que os mais pobres estão morrendo aos pouco, e a bandidagem cresce vivendo com carrões, curtindo a vida, e rindo da cara do trabalhador !!!

  2. Vendo os antecedentes, sou obrigado a esperar que eles usem a velha máxima, a de que “os fins justificam os meios”. Não esquecer que suas “meretríssimas” gozam de proteção legal, são acompanhados por guarda-costas, e outras coisas mais. Ah…e tem também os camarões e vinhos finos. O resto, que se lasque. “Eu sou eu e minhas circunstâncias”.

    • Com STF essa confusão toda porque talvez eles sejam beneficiados com ela é assim que eu penso essa bagunça essa confusão os favorece

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *