Médico que suspendeu estudo da Prevent Senior sobre Hidroxicloroquina é militante comunista.

Caráter genocida da esquerda está cada vez mais evidente na sanha contra a cura para o vírus chines.

Um estudo da operadora Prevent Senior para testar a eficácia da hidroxicloroquina no tratamento da covid-19 foi suspenso nesta segunda-feira, 20, pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) após o órgão descobrir que os testes com pacientes foram iniciados antes de a empresa receber o aval para a realização da pesquisa.

O fato foi denunciado por Jorge Venancio, coordenador da Conep, que revelou a decisão do órgão de suspender a pesquisa e cobrar esclarecimentos da empresa.

“Não se pode propor uma pesquisa prospectiva, para o futuro, e fazê-la antes. A providência que tomamos foi a retirada provisória da aprovação da Conep para a pesquisa e o pedido de esclarecimentos. Se isso se confirmar, é uma irregularidade grosseira.”

Quem é Jorge Venâncio?

JORGE ALVES DE ALMEIDA VENANCIO é o Coordenador da Conep, responsável pela “condenação” do estudo da Prevent

Em 2018, JORGE ALVES DE ALMEIDA VENANCIO concorreu a uma vaga para Deputado Federal pelo Partido Pátria Livre, mas não foi eleito.

O PPL do Sr. JORGE VENANCIO, coordenador do CONEP, é um partido ABERTAMENTE DE ESQUERDA, ligado à Central Geral dos Trabalhadores do Brasil e criado por membros do Movimento Revolucionário Oito de Outubro – uma organização de guerrilheira da Esquerda Radical.

Em 29 de maio de 2019, o PPL foi extinto após ser incorporado ao PARTIDO COMUNISTA DO BRASIL.

A Hidroxicloroquina, um medicamento sintetizado em 1946 e aprovado para uso médico nos EUA em 1955, faz parte da Lista de Medicamentos Essenciais da OMS – uma lista dos medicamentos MAIS EFICAZES, SEGUROS E FUNDAMENTAIS em um sistema de saúde

Depois que o presidente Bolsonaro indicou que o vírus chines poderia ser derrotado pelo medicamento Hidroxicloroquina, houve uma série de tentativas para desqualificar o remédio.

Um dos melhores estudos foi feito pela rede saúde Prevet Senior , que entre 26/03/20 e 04/04/20, realizou um estudo com 636 pacientes com suspeita clínica de COVID-19. Destes, 412 aceitaram um termo de consentimento e foram tratados com Hidroxicloroquina (HCQ) + Azitromicina. Os 224 que recusaram o tratamento formaram o grupo controle . No grupo que recebeu o tratamento, 1 paciente morreu por câncer avançado e 1 morreu por doença cardíaca pré-existente. Segundo o estudo da Prevent, apenas 1,9% das pessoas tratadas precisaram ser hospitalizadas, contra 5,4% do grupo controle.

Agora o Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) quer desacreditar o estudo, mas antes médicos ( todos de esquerda ) fizeram um estudo com Cloroquina , para desacreditar o medicamento, intoxicaram 11 pacientes com superdosagem resultando em 11 mortes. ( Veja aqui )

Em 21/04 , o Partido dos Trabalhadores (PT) foi ao Supremo Tribunal Federal (STF) com uma ação com o objetivo de proibir o presidente Jair Bolsonaro e integrantes do governo federal de falar que a Hidroxicloroquina pode ser eficiente contra o vírus chines ( veja aqui )

São varias ações com pouca ou nenhuma ética para desacreditar a cura. Não estão preocupados com a cura. Não estão preocupados com a saúde da população. Não estão preocupados se pessoas morrerem , deste que sua tese prevaleça.

Referência – Twitter Alexandre LoiolaRevista ExameGazeta Brasil –

Curvelo (MG) 22/04/2020 – 11:04h

José Carlos Martins

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *