Confinar jovens e idosos em quarentena pode ter sido o fator de contágio por vírus chinês na Itália e Espanha.

Na China, as autoridades dizem agora que erraram ao permitir que pessoas com sintomas leves se isolassem em casa, onde passaram o vírus para parentes.

Traduzido do New York Times.

Francesco Moro não pode dizer com certeza como seu pai de 65 anos contraiu o coronavírus, mas ele acha que isso tem algo a ver com o fato de ele e seu irmão mais velho terem adoecido uma semana antes. Embora os dois filhos tenham crescido, eles moram com os pais em uma casa modesta nos arredores de Bergamo, o epicentro do surto italiano.

“A cozinha e a sala de estar, os cômodos que mais compartilhamos, são bem pequenas.” disse Moro, 28 anos. “A probabilidade de transmiti-la é muito maior”.

Essa lógica chamou a atenção de cientistas sociais que estão explorando uma teoria que pode explicar em parte por que a pandemia se mostrou especialmente fatal na Itália e na Espanha . Nesses países, um grande número de pessoas em idade ativa vive com seus pais, e os mais jovens podem levar o vírus para casa e espalhá-lo para seus pais idosos, muito mais vulneráveis.

Na Itália e na Espanha, uma tendência cultural à vida entre gerações parece ter sido aumentada por uma catástrofe econômica que forçou legiões de pessoas sem emprego a se refugiarem com seus pais. Na década após a crise financeira global de 2008, a parcela de italianos entre 25 e 29 anos que moravam com seus pais aumentou de 61% para 67%, segundo o Eurostat . Na Espanha, expandiu , de 51% para 63%.

O artigo que provocou a discussão sobre a relevância de tais figuras para a pandemia foi o trabalho de dois economistas da Universidade de Bonn, na Alemanha, Christian Bayer e Moritz Kuhn. Eles traçaram a porcentagem de pessoas entre 30 e 49 anos que vivem com seus pais contra as taxas de mortalidade de casos confirmados de coronavírus em meados de março.

Eles descobriram uma correlação impressionante, colocando isso como uma parte significativa da explicação do motivo pelo qual o vírus causou tantas mortes na Itália, que agora tem mais qualquer outra nação, com quase 14.000.

“Não temos um método para descobrir um relacionamento causal”, reconheceu Kuhn em uma entrevista. “Mas o que mostramos é que existe uma correlação muito, muito robusta”. Isso constitui “pelo menos uma indicação de que poderia haver uma relação causal subjacente”, acrescentou.

No Instituto Peterson de Economia Internacional, em Washington, Jacob F. Kirkegaard, pesquisador sênior, conduziu uma análise semelhante ao atualizar os dados de mortalidade disponíveis até 25 de março. Seu trabalho mostrou à Itália e à Espanha discrepâncias claras: jovens adultos nesses países eram mais duas vezes mais probabilidade de morar com os pais do que na Alemanha, França e Grã-Bretanha. A taxa de mortalidade da Espanha era três vezes maior do que os outros países; A da Itália era pelo menos seis vezes maior.

Demógrafos da Universidade de Oxford divulgaram no mês passado um estudo pedindo aos governos que adaptassem suas estratégias de distanciamento social às condições de cada país, prestando especial atenção às estruturas etárias.

A Itália tem uma das maiores proporções de pessoas idosas do mundo, observou o estudo, com 23% da população com pelo menos 65 anos e graus impressionantes de “contato inter-geracional”. O fechamento de escolas na Itália parecia arriscado, alertou o estudo, porque muitos pais confiam em seus pais para cuidar dos filhos, ampliando a ameaça de transmissão de crianças para idosos.

Os cientistas geralmente sustentam que o norte da Itália se tornou o local da pandemia na Europa, porque grande parte de sua indústria está ligada à China, com pessoas indo e voltando. A densidade da região provavelmente permitiu que o vírus se espalhasse

“Não existe uma política que sirva para todos”, disse Kuhn. “Estamos dizendo que se você mora em um país onde é muito prevalente a interação entre gerações, onde os avós normalmente escolhem crianças na escola, então, se uma situação como essa surgir, talvez suas medidas políticas sejam diferentes.”

Na China, as autoridades dizem agora que erraram ao permitir que pessoas com sintomas leves se isolassem em casa, onde passaram o vírus para parentes. A China acabou forçando as pessoas a entrar em instalações de quarentena em massa – um passo que provavelmente seria um anátema nas sociedades democráticas.

Referências – Estadão New York Times

Curvelo (MG) 10/04/2020 – 16:32h

José Carlos Martins

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *